Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘caldos’

INGREDIENTES 

7 unidades médias de Inhame orgânico
1 maço de couve orgânica
3 dentes de alho
300g de linguiça de frango
3 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 unidade média de cebola
1 ½ litros de caldo de frango

MODO DE PREPARO 

Preparar previamente o caldo utilizando: 1 carcaça de frango, 1 cebola cortada em quatro, 3 dentes de alho, 2 folhas de louro, sal marinho e água o suficiente para conseguirmos 1 ½ litro. Levar ao fogo e apurar por aproximadamente 1 e ½ hora a 2 horas, conforme a capacidade do fogão. Coar e reservar o caldo.
Descascar e picar o inhame em pedaços médios. Cozinhar o inhame no caldo de frango com o alho. Bater no liquidificador o inhame com o caldo. Reservar. Refogar a cebola no azeite de oliva juntamente com a lingüiça de frango fatiada. Acrescentar no refogado a couve e deixar murchar. Acrescentar o caldo de inhame e ferver por alguns minutos. Servir com um fio de azeite.

RENDIMENTO: 6 porções

Fundação Mokiti Okada

Anúncios

Read Full Post »

Começou a ser colonizada em 1585 e o seu marco inicial foi o Forte de São Felipe, construído para de se fender dos ataques franceses.

A culinária paraibana tem influencia portuguesa, indígena e africana, utiliza-se ingredientes como a mandioca, a carne de sol e o milho. Dos portugueses veio o preparo dos caldos e ensopados, principalmente de peixes e frutos do mar. Dos índios o uso da mandioca, do milho e carnes dos pescados e das caças. Dos africanos a utilização do coco, do azeite-de-dendê e da pimenta.

Os pratos que representam a culinária paraibana são as pescadas, os ensopados de frutos do mar e as preparações com carne seca, como a paçoca, ou assada ou frita na manteiga-de-garrafa, acompanhada de farinha de mandioca.

No litoral há grande número de espécies de peixes e frutos do mar, beijupirá, pescada, badejo, arraia, agulha, cavala, camarões, lagostas e caranguejos. Nas peixadas é utilizado o leite de coco e temperos verdes (cebolinha, salsinha e coentro), na composição do molho, além da cebola, do urucum e fubá, é acompanhada de arroz branco e pirão. Os peixes são fritos ou assados. O camarão, a lagosta, a lula e as outras são preparado com leite de coco. Porém o prato mais típico do litoral paraibano é o ensopado de caranguejo.

Devido à escassez de alimentos vegetais e frescos no sertão, a culinária é à base de carne de sol (feita de carne de boi, carneiro ou bode).

Em especial, a cidade de Cabaceiras tem o maior rebanho caprino, por ter o menor índice pluviométrico do Brasil, sendo estes animais mais resistentes a essa condição. Com a carne do gado caprino são feitos cabrito assado, carne de sol de cabrito, lingüiça e buchada. Curiosamente, também existem a pizza de bode e o sanduíche Mcbode.

É também muito consumida a galinha caipira.

Com o milho é preparado o xerém, a canjica, a pamonha e o cuscuz.

O queijo coalho e a manteiga-de-garrafa estão presentes em quase todas as receitas.

Como doces e sobremesas temos a cartola, a pamonha, o pé-de-moleque, a tapioca com recheio doce, o queijo coalho assado com mel de engenho, a torta de castanha de caju, a coalhada com rapadura e os doces de caju, goiaba e outras frutas regionais.

Read Full Post »

A culinária carioca é muito marcada pela influencia portuguesa, através da utilização do bacalhau, os cozidos, os ensopados, caldos e iscas de fígado. O bacalhau é cozido, assado ou grelhado e tem por acompanhamento brócolis, azeitonas, cebola, grão de bico, batata, ovo cozido, arroz branco e pimentão, sendo o mais famoso o bacalhau a Gomes de Sá.

Dentre os cozidos, a dobradinha com bucho de boi e feijão-branco, o guisado de cordeiro cozido à portuguesa servido feijão-branco ou favas, o cassoulet (francês), o puchero (espanhol) e o próprio cozido português, o qual originou a feijoada carioca, a qual é sempre acompanhada por uma bebida bem brasileira, a caipirinha.

Nota-se a presença baiana nas moquecas de peixe, de camarão, de sururu, no vatapá e no angu.

No litoral sul, em Paraty e o peixe é preparado na folha de bananeira ou ensopado, com banana ou azul-marinho. Em Angra dos Reis o camarão casadinho, o arroz de polvo, a lula refogada, a sopa de aipim com camarão e o ensopado de cação. Nas demais cidades os pescados são acompanhados por farinha de mandioca (que em Mangaratiba é conhecida por farinha de tapioca e em Angra dos Reis pó farinha da terra), banana e abóbora. Em Mangaratiba ostras e siris são recheados.

Na região dos lagos encontramos o badejo, arraia, a barracuda, o cação, a carapeba, cherne, a corvina, a enchova, o peixe-espada, o namorado, o olho de boi, o pargo, o parati, a pescada, o robalo, a sardinha, o xaréu, a lula, o polvo, o mexelhão, a cavaquinha, a lagosta e o siri, quais são fritos ou assados com farofa ou servidos com molho ou em moquecas, caldeiradas, frigideiras e omeletes, acompanhados de farinha de mandioca, pirão ou banana.

Mesmo sendo uma cidade litorânea, Campo dos Goytacases tem preferência pela carne de gado bovina e suína, fritas ou ensopadas.

Nas áreas rurais aparecem o milho e o feijão.

Em São Pedro da Aldeia e Saquarema, consomem-se ovas de tainha. Em Araruama, o xaréu. Marica, a tainha. E em Macaé, camarão com chuchu.

No interior é forte a influência mineira, o tutu de feijão, carne bovina, suína e de aves. O churrasco e a carne de sol frita e acompanhada de feijão, arroz e farinha de mandioca também são encontrados.

Na região serrana, com influencia alemã e suíça, devido o frio, consome-se os pratos: fundue, eisben, salsichas e kassler, encontrados nas cidades de Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo.

Read Full Post »

A cozinha catarinense sofreu influencias das mais variadas culturas devido a sua  colonização por alemães, portugueses, russos, húngaros, ucranianos, holandeses,  poloneses, espanhóis e, por mais incrível que pareça, em sua grande maioria por  italianos e também tiveram influencias indígenas.

Santa Catarina é uma dos maiores produtores de pescados do nosso país, as correntes  de águas frias favorecem o surgimento de linguados, manjubas, badejos, corvinas,  tainhas, garoupas, melros, namorados, pescada, robalos, anchovas, além de camarões,  lagostas, mariscos, e lulas.

As cidades se São Francisco do Sul e de Florianópolis foram colonizadas por        portugueses. Por se tratarem de cidades litorâneas a base de sua alimentação eram os peixes e os frutos do mar, predominando o seu preparo em caldos, ensopados, e os abafados. Com os indígenas foram incluídos a farinha de mandioca, o feijão, os legumes, as verduras e a banana, o que permitiu novas combinações. No Vale do Itajaí predominaram os alemães, introduzindo o consumo de carne suína regada a cerveja além do marreco com repolho roxo. Em menor escala chegaram os russos, húngaros, ucranianos, holandeses, poloneses e espanhóis, trazendo receitas como as sopas de batata e requeijão, as tortas e os pasteis de batata e requeijão. Pratos típicos dessa região são eisben (joelho de porco), kassler (bisteca), bockwurt (salsicha), chucrute (repolho fermentado) e o schlachtplatte (todos os anteriores reunidos em um mesmo prato), além do presunto, da manteiga e de alguns queijos. Ao sul do Estado a sopa de capeletti, a lasanha, a polenta, o galeto os embutidos, e os queijos, influenciados pela concentração de italianos no local, os quais introduziram as massas, a fortaia, os vinhos os salames, os pães, e os biscoitos na culinária local. Na região serrana prevaleceu o consumo de carne de gado na forma de churrasco e o consumo do fruto local, o pinhão.

Os doces que compõem a culinária catarinense são cucas, geléias, tortas de amêndoas, panquecas com recheios doces e apfelstrudel (torta folhada de maçã).

Read Full Post »

A história de Pernambuco esta muito ligada ao açúcar, graças a sua terra propicia para  o cultivo da cana-de-açúcar, o que atraiu os olhares ambiciosos dos colonizadores,  ocupando-a com o desejo de cada vez mais produzir e lucrar com essa matéria prima  tão valiosa na época.

A culinária pernambucana recebeu influencias de elementos que compõem sua  população: dos africanos, o gosto pela pimenta, a utilização do azeite-de-dendê e coco;  dos indígenas o milho, a mandioca e a batata; dos portugueses herdou as técnicas no  preparo de cozidos e caldos.

Sua cozinha tem pratos criados tanto nas casas-grandes como nas senzalas, nas aldeias como nos mosteiros, na lida do sertão e também a beira-mar e pode ser dividida entre cozinha do litoral, composta por peixes e frutos do mar e a cozinha do interior do Estado, composta por carne de sol e de bode.

No litoral da capital Recife e da histórica Olinda são comuns a lagosta, o camarão, o marisco, o caranguejo, o guaiamum, o siri, o sururu, o aratu, o polvo, a ostra, e os peixes robalo, tainha, beijupirá, cavala, cioba, agulha entre outros, também são comuns os caldinhos de peixe. Com esses ingredientes são preparadas a moqueca, e as peixadas, tendo por acompanhamento o pirão, feito do caldo do cozimento do próprio pescado. Também feitos com os frutos do mar temos as fritadas e o baião de dois. Não esquecendo do camarão na moranga, e a tapioca.

No interior seus pratos possuem pouca variação entre o Agreste, a Zona da Mata, o Sertão e o Vale de São Francisco, sendo eles: galinha de cabidela, baião de dois (agora composto por feijão de corda, arroz, charque, e queijo coalho), dobradinha, carne de sol com manteiga de garrafa, chambaril (ossobuco), charque, mão de vaca, buchada de bode ou carneiro, bode guisado ou assado, cozido pernambucano, arrumadinho, feijoada, sarapatel, maxixada e rabada. Os acompanhamentos são arroz mexido, cuscuz de milho ou mandioca, inhame, feijão verde, macaxeira, jerimum, paçoca de carne seca com farinha de mandioca, manteiga de garrafa, angú salgado e xerém. Os pescados de água doce são aruá, carí, muçum e surubim.

Nos doces e bolos encontramos grande influencia portuguesa, com a utilização de frutas tropicais como goiaba, guarabiraba, jaca, jambo-roxo, mangaba, caju, carambola e araçá. Entre os seus doces e sobremesas temos a baba de moca, as cocadas, os bolos Souza Leão, os bolos de rolo e o pé-de-moleque, mas as sobremesas prediletas dos pernambucanos são a cartola (feita de banana frita, queijo coalho e polvilhada de açúcar) e queijo coalho com mel de engenho.

Read Full Post »